Em 1971 a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil instituiu  setembro como o mês da Bíblia, com o objetivo de promover o conhecimento e estimular o engajamento dos fiéis no estudo das Sagradas Escrituras.

Setembro foi escolhido porque no dia 30, último do mês, celebra-se o dia de São Jerônimo, grande sacerdote, santo e doutor da Igreja, que traduziu a Palavra de Deus do grego e hebraico para o latim, a chamada “Vulgata”, tornando a Bíblia Sagrada acessível ao povo. São Jerônimo dizia que “ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo”.

Durante o Concílio Vaticano II, por meio da Constituição Dogmática Dei Verbum, publicada em 1965, sobre a Revelação Divina, a Igreja pede que todos os cristãos busquem ter mais intimidade com a Palavra de Deus. Como está nosso relacionamento com o Senhor? Procuramos conhecê-Lo através da Palavra?

Atualmente, a Bíblia é o livro mais vendido e mais traduzido do mundo. Porém é o livro mais lido? Hoje temos uma série de facilidades que o povo de Deus do Antigo Testamento e as primeiras comunidades cristãs não tinham. Praticamente em todas as casas cristãs há mais de uma bíblia.  Podemos ouvi-la por meio de arquivos digitais ou até mesmo tê-la na tela de nosso celular, buscando os livros, capítulos e versículos em poucos segundos.

Aproveitemos este mês dedicado às Sagradas Escrituras para refletir sobre a importância doc contato com a Bíblia e assim estar sempre buscando nos alimentar da Palavra de Deus. “Não só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que saia da boca de Deus (MT 4,4)”.