História

698

HISTÓRICO

 A Comunidade São Judas Tadeu teve origem em Taguatinga Sul, lugar onde viveram os pioneiros da atual comunidade. Havia duas invasões, denominadas Boca da Mata e Monte Sinai, que eram assistidas pela Paróquia São Vicente de Paulo, localizada nas proximidades das invasões.

Frei Celestino, que acompanhava Comunidade da Boca da Mata, percebeu a necessidade de eleger um padroeiro. Aconteceu uma votação para escolher entre São Judas Tadeu e Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. O santo escolhido foi São Judas Tadeu, em razão dos ensinamentos sobre o Santo pelo próprio frei, como também pela influência da primeira conferência vicentina da comunidade que tinha o nome do santo.

No início de 1985, as duas comunidades de Taguatinga Sul, bem como as invasões de outras localidades, foram transferidas para Nova QNL. A princípio os moradores deveriam frequentar a Paróquia Santo Antônio ou Cristo Redentor, todavia, à época, as dificuldades e distâncias eram grandes.

Percebendo a dificuldade dos moradores, e a necessidade de uma igreja ou capela para atender os anseios da comunidade, Frei Vicente (Paróquia São Vicente de Paulo), juntamente com o Pe Romano (Paróquia Cristo Redentor), lideraram e motivaram a comunidade a lutar por um terreno para a construção de um templo católico. Os moradores, que já eram devotos do Santo das Causas Impossíveis, não hesitaram então. Realizaram inúmeras reuniões religiosas nas casas de fiéis e as celebrações na praça ao relento da QNL 16.

Com muita insistência e labuta foi cedido um terreno, em caráter temporário, localizado na QNL 14 com prazo para construir um barracão, que passou a ser Capela São Judas Tadeu, pertencente à Paróquia Cristo Redentor, com missas celebradas semanalmente pelo Pe Romano e pelo Diácono Ernandes Reis Marinho.

Posteriormente, com apoio de Dom Ávila e Pe Ernandes (Pároco da Cristo Redentor), a Administração de Taguatinga concedeu o terreno definitivo na EQNL 09/11, onde foi construído uma pequena armação com telhas para as missas dominicais, e em seguida o Centro Comunitário e a fundação da Paróquia, que teve o projeto inicial elaborado pelo Pe Ernandes.

A construção do Centro Comunitário foi essencial para o funcionamento da Secretaria Paroquial,  e oferta de cursos profissionalizantes a comunidade (datilografia, cabeleireiro, corte e costura, dentre outros) fortalecendo e integrando ainda mais a comunidade local. Foram realizados festas, bailes, bingo, mutirões, com fins de arrecadação financeira para construção, e ainda houve o apoio de doações do Instituto Adventi da Alemanha, da Paróquia São Francisco de Assis e da Paróquia-Mãe (Cristo Redentor).

Em 1993 foi realizada a 1ª missa na estrutura da paróquia, onde hoje é o Salão Paroquial. As obras foram ocorrendo lentamente sob a supervisão do Pe Moacir Leocádio  da Silva (novo pároco da Cristo Redentor a partir de 1994), que finalizou a construção da estrutura física da paróquia, iniciou os primeiros acabamentos e a construção do Centro Catequético.

No dia 31 de agosto de 1997, foi celebrada, pela manhã, a primeira missa na nave da Igreja, que na ocasião foi a despedida do Pe Moacir, pois na noite daquele mesmo dia, com a ajuda de Dom Jésus Rocha, houve  emancipação, deixando de ser Capela e passando a ser Paróquia São Judas Tadeu. Recebeu como primeiro pároco o então padre Paulo Bosco de Sousa.

O primeiro pároco desempenhou os serviços de forma marcante, organizando mutirões nos quais a comunidade trabalhou ativamente para a construção do muro e calçamento ao redor da igreja. Fora feitos os acabamentos da secretaria, os bancos, o altar e o ambão de madeira. Conseguiu, junto à Comunidade de Fátima, em Portugal, a doação da imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Em 30 de Dezembro de 1998 a paróquia recebeu como pároco George de Albuquerque Tajra, que havia se ordenado recentemente. Ele prosseguiu conduzindo a comunidade tanto espiritualmente como fisicamente com obras, finalizando o Centro Catequético, a cozinha do salão de festa, acabamentos internos e externos, e iniciou a construção da capela e secretaria em um prédio desvinculado da nave.

Hoje a comunidade é conduzida pelo Pe José ferreira, que assumiu a paróquia em dezembro de 2008.